Quais são as previsões para o cenário econômico em 2019?

em Tendências.

Com o início de um novo ano, há muitas incertezas e dúvidas. O cenário econômico impacta os diferentes setores de negócio, inclusive o da TI. Nesse momento, é preciso entender quais são as expectativas do futuro para, então, determinar quais são os melhores caminhos a seguir.

Diante do começo de um novo governo e a recém-saída da crise financeira que abateu o Brasil nos últimos anos, a perspectiva é de retomada dos investimentos. Porém, será que os números confirmam isso? É o que esclarecemos neste post.

Então, que tal saber o que espera sua empresa para os próximos anos? Continue lendo!

Quais são as expectativas para o cenário econômico em 2019?

As previsões do mercado para 2019 são positivas. No entanto, existe uma ressalva: espera-se que sejam aplicadas as diferentes reformas necessárias. Essa necessidade é derivada dos problemas fiscal e previdenciário, além do desemprego, que ainda atinge 12,4 milhões de brasileiros e tem um percentual de 11,7%.

Todos esses fatores e a própria burocracia do País geram uma pressão negativa dos investidores internacionais, principalmente no que se refere à Reforma da Previdência. Esse é o primeiro passo, ainda que não seja suficiente.

Caso as reformas sejam aprovadas, a previsão é de que a economia cresça entre 2,5% e 3%, conforme projeções da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). Para a entidade, a taxa básica de juros da economia, a Selic, deve ser mantida em 6,5%.

Porém, especialistas do Banco Central (Bacen) indicam uma alta da Selic, que deve fechar 2019 em 7,25%. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que rege a inflação oficial do País, tende a ficar em 4,03%. O Produto Interno Bruto (PIB), por sua vez, fica em 2,53%, de acordo com as previsões.

Um dos fatores mais importantes para as empresas de tecnologia é a taxa de câmbio. Os especialistas aumentaram a projeção e acreditam que o dólar deve ficar em R$3,80 — aproximadamente o mesmo patamar de 2018.

Nesse contexto, os desafios que o novo presidente terá são grandes. Além da aprovação das reformas, é preciso continuar a trajetória de recuperação do País. Um dos obstáculos que surgem a esse fator é o envelhecimento precoce da população — situação que implica dificuldades na política econômica e no potencial de crescimento do Brasil.

Ao mesmo tempo, é preciso adotar medidas que melhorem a produtividade, já que ela está estagnada desde a década de 1980. Entre os aspectos que influenciam de maneira positiva estão:

  • terceirização;
  • nova lei trabalhista;
  • lei das estatais;
  • aprovação do cadastro positivo;
  • investimento em tecnologia.

Para isso, também é esperada uma abertura, que tende a incentivar uma mudança da agenda econômica e a concorrência.

Qual é o cenário para as empresas de TI?

Como destacamos, as empresas precisam investir cada vez mais em tecnologia para se destacarem da concorrência e conquistarem vantagem competitiva — essa é praticamente uma exigência do mercado. Contudo, os dados apresentados evidenciam que a expectativa para 2019 é de retomada dos investimentos.

As novas tecnologias e a democratização proporcionada por elas — caso da computação em nuvem, por exemplo — permitem que até mesmo micro e pequenos negócios tenham acesso a essas ferramentas mais recentes.

É por isso que a pesquisa Expectativas do Empresariado para o País e os Seus Negócios, da Deloitte, indica que 97% dos empreendedores desejam investir em 2019. Desse total, 59% pretende adotar uma nova tecnologia.

No mundo, também haverá aumento com a TI. A expectativa é que sejam feitos investimentos até 3,2% maiores que 2018, com uma soma que ultrapassa 3,8 trilhões de dólares durante o ano.

Como a economia impacta as empresas e seus investimentos?

A previsão de crescimento da economia é positivo, assim como a expectativa de investimentos em ferramentas que aumentam a produtividade das organizações. A alta do PIB, por exemplo, indica que há mais poder de compra para os negócios, o que pode torná-los mais lucrativos e contribuir para o aumento da vantagem competitiva. Isso também aumenta o retorno do investimento (ROI) em TI para gerar mais valor.

Por outro lado, o IPCA em 4,03% e o aumento da Selic fará com que seja mais caro para conseguir crédito empresarial. Ao mesmo tempo, o dólar ainda no patamar de R$3,80 é uma situação preocupante, especialmente para o investimento em tecnologias, já que muitas negociações são feitas na moeda norte-americana.

Para evitar imprevistos e gastos desnecessários, o ideal é contratar serviços especializados de empresas brasileiras, inclusive que tenham parceria com companhias internacionais, por exemplo, com a Microsoft. Mais que isso, a chave é utilizar softwares de gestão em nuvem, que contribuem para a centralização dos dados e para tomadas de decisão mais acertadas.

Em âmbito mais amplo, o setor de TI deve continuar em crescimento. O mercado brasileiro é o 9º maior do mundo e representa 36,5% das vendas totais do segmento na América Latina. Por isso, as projeções indicam que a alta permanecerá até 2021.

No quesito serviços, o setor de TI deve crescer 5% ao ano até o final de 2021. As vendas de softwares e serviços têm um percentual de 5,7% anuais. Somente em 2018, a projeção para o crescimento era de 5,8%— ainda não existem dados consolidados.

Um dos desafios que ainda precisa ser ultrapassado para que o setor apresente um crescimento mais sustentável no Brasil é a criação de um marco regulatório mais completo e amplo, que envolva segurança da informação, proteção de dados pessoais e privacidade.