Como calcular o ROI em TI e mostrar valor para o resto da empresa?

em Tendências.

Além de gerenciar os times de tecnologia, acompanhar a evolução dos sistemas da empresa e atuar de forma estratégica no negócio, um CIO usualmente precisa encarar um desafio especial em seu cotidiano: provar o valor gerado pelo trabalho no seu setor. E uma forma de fazer isso é calculando o ROI em TI.

Nem sempre é fácil explicar para outros gestores a importância do que é feito no setor de TI, especialmente quando o assunto se torna muito técnico para quem não é da área. Mas com uma estimativa do ROI, fica bem mais fácil demonstrar para outras pessoas os resultados alcançados.

Neste artigo, vamos explicar melhor como calcular seu valor e por que é tão importante utilizar esse indicador. Confira!

O ROI

Como já deve saber, na prática, o ROI é um indicador que compara a relação entre o que foi aplicado para a execução de determinada atividade e seu retorno financeiro.

Além de ser uma métrica essencial para auxiliar a compreensão do sucesso de um negócio, o ROI também pode ser utilizado para calcular o valor gerado por investimentos em atividades dentro da empresa, como a TI.

Tecnologia é algo que pode custar muito em uma organização, e os altos valores de salários, equipamentos e softwares muitas vezes são espantosos para quem não é da área. Assim, é comum encontrar gestores sugerindo cortes de custos em TI sem ter uma consciência real do que isso pode significar para os resultados finais do negócio.

Mas, ao demonstrar números claros do retorno dessas despesas, pode ser mais fácil justificar o alto custo de uma estrutura de TI e como esse aspecto é essencial para o sucesso do empreendimento.

Como calcular o ROI em TI?

A fórmula para o cálculo do ROI é relativamente simples. Basta subtrair o custo da aplicação pelo que foi gerado com o investimento e dividir esse valor pelo custo do investimento. Em seguida, se for interessante, é possível multiplicar esse resultado por 100 para obter um número em porcentagem.

Portanto, se alguém investe R$ 500 mil em uma aplicação financeira que gera o retorno de R$ 1 milhão, o ROI é igual a 1, ou 100%. Ou seja: R$ 1.000.000,00 – R$ 500.000,00 / R$ 500.000,00 = 1.

Mas em aplicações simples e investimentos em empresas, é bem mais fácil determinar o que são as duas variáveis da equação: custo e lucro. Quando é preciso isolar apenas um setor do negócio, essa conta fica um pouco mais complexa.

Geralmente, os gastos com a TI são facilmente somados. O principal desafio aqui é estimar e quantificar o retorno financeiro. Seria presunção considerar que todo o lucro da empresa é decorrente apenas do investimento em TI. E, além disso, alguns investimentos geram um valor intangível, difícil de quantificar, como segurança da informação e recuperação de desastres.

Mas o fato de ser difícil não quer dizer que é impossível estimar o ROI em TI. O primeiro passo para entender qual é o lucro de um investimento em tecnologia é categorizar o que é esse investimento.

Para isso, é interessante pensar em três categorias principais de investimentos em TI: projetos que evitam prejuízos, projetos que participam nos lucros e projetos que podem ajudar a empresa a atingir novos mercados — geralmente, inovação e experimentação estão nessa última categoria.

Para estimar o retorno de um projeto que evita prejuízos, como a implementação de uma estratégia de segurança de dados, a melhor forma é estimar o valor dos riscos que estão sendo mitigados pelo investimento.

O valor de um risco, por sua vez, pode ser calculado por meio da multiplicação do custo total do seu impacto e sua probabilidade de ocorrência, com base em dados históricos e estimativas de especialistas na área.

Portanto, se um acesso não autorizado pode causar um prejuízo de R$ 5 milhões, e a probabilidade disso acontecer com a estrutura atual de TI é estimada em 1%, é possível dizer que o valor desse risco é de R$ 50 mil.

E se um investimento é capaz de reduzir a probabilidade do risco para 0,1%, consegue-se estimar que o seu retorno é de R$ 45 mil, ou seja, o valor do risco anterior subtraído pelo valor do risco após o projeto.

Já nos investimentos em TI que participam diretamente da geração de valor na empresa, como um novo sistema de gestão ou a compra de novos computadores, a estimativa de retorno para o cálculo do ROI deve ser feita com base em uma porcentagem dos lucros totais, com uma estimativa de como esse elemento de tecnologia contribui para os resultados alcançados.

Por fim, os investimentos em projetos que ajudam a empresa a abrir novos mercados e transformar o seu negócio são os mais difíceis de serem calculados. O investimento em pesquisa, inovação e experimentação muitas vezes gera resultados intangíveis ou que só serão percebidos após muito tempo.

Mas nem por isso esse tipo de investimento deve ser desconsiderado. Uma possibilidade aqui é tentar considerar como valor uma estimativa aproximada de quanto a inovação pode gerar em lucros para a empresa. Esses números serão relativamente imprecisos, mas podem ajudar na justificativa do investimento.

Qual a importância do ROI em TI?

A principal razão para calcular o ROI em TI é ter números que poderão justificar para pessoas de fora da área o custo do setor. Para quem já trabalha com tecnologia é muito claro que o investimento em um sistema robusto de recuperação de desastres, por exemplo, é algo fundamental para o negócio.

No entanto, gestores que não têm familiaridade com a TI nem sempre vão compreender isso. Por outro lado, com números claros que demonstram o valor gerado em uma métrica de simples compreensão, fica mais fácil para o CIO explicar por que a contratação de determinado colaborador fica tão cara ou por que é decisivo gastar um pouco mais na hora de migrar os serviços para a nuvem, o que vai resultar em economia no longo prazo.

Portanto, o ROI em TI é uma ferramenta muito interessante para gestores, visto que pode ajudar a quantificar os resultados da área.

Agora que você já sabe como realizar o cálculo do ROI em TI para poder demonstrar o valor do trabalho realizado no setor, que tal compartilhar este artigo com outros colegas da área que passam pelo mesmo problema?