Capex e Opex: saiba as diferenças e como reduzir custos

em Tendências.

CAPEX e OPEX são dois importantes conceitos relacionados à classificação de custos e despesas que uma empresa tem. Cada uma dessas duas categorias ajudam a identificar para onde o dinheiro está indo, para assim manter o controle financeiro adequado.

Ao adquirir ferramentas, contratar serviços ou custear despesas, é importante saber em qual dessas duas categorias elas se encaixam. Isso vai garantir que o capital da empresa seja usado da melhor forma, sem gerar complicações futuras.

Neste conteúdo você acompanhará um pouco mais sobre CAPEX e OPEX! Entenda os conceitos, como escolher entre eles e um pouco mais de suas respectivas importâncias.

Entenda melhor a diferença entre CAPEX e OPEX

CAPEX e OPEX são duas modalidades de investimento financeiro que ajudam a segmentar toda aquisição que uma empresa faz. Seja em compras comuns e rotineiras, seja em projetos específicos, como uma reforma, esses gastos vão acontecer e precisam ser divididos adequadamente.

A seguir, entenda melhor o que é CAPEX e OPEX e quais tipos de custos e investimentos estão relacionados a cada uma dessas categorias diferentes.

CAPEX

CAPEX (CAPital EXpenditure) é qualquer despesa e investimento em bens de capital, como gastos em infraestrutura, instalações, equipamentos e propriedades.

No universo das pessoas físicas, um exemplo prático da diferença entre CAPEX e OPEX pode ser dado ao pensar que na compra de um conjunto de CDs há investimento em despesas de capital (CAPEX), pois se trata de um patrimônio adquirido definitivamente — embora ultrapassado.

OPEX

Já OPEX (OPerational EXpenditure) refere-se às despesas operacionais, ou seja, gastos cotidianos (geralmente mensais) para manutenção de serviços e equipamentos. São exemplos de OPEX: assinatura de serviços de TI (virtualização), aluguéis e terceirizações.

Por exemplo, quem prefere assinar um serviço de streaming de música, está investindo em OPEX, uma vez que não será necessário comprar toda uma infraestrutura sonora para ouvir seus álbuns favoritos.

Uma fornecedora arca com os custos de implantação e fornece o serviço multiplataforma aos seus clientes, mediante pagamento mensal, claro.

Saiba como esses conceitos ajudam a reduzir custos

No universo corporativo, são muitas as empresas que têm trocado a abordagem de custos CAPEX por uma perspectiva mais moderna, ágil e prática como o OPEX.

Entretanto, as vantagens de um ou outro meio dependem da gestão de sua companhia, das políticas de rentabilidade de capital e dos objetivos de cada negócio. Tudo isso influencia a decisão e garante que ela seja adequada.

Exemplos práticos de decisão

Um bom exemplo são as empresas de logística, que precisam usar veículos para entregar seus produtos. No entanto, nem sempre comprar caminhões ou carros menores será uma boa decisão.

Em vez de financiar por longos anos uma frota de carros próprios, arcando com suas manutenções, documentações e impostos, parte-se para a locação. Essa é uma forma de garantir menos custos.

A área de TI também se vê nesse ponto de escolha frequentemente. No lugar de direcionar vultosos recursos em soluções de infraestrutura, aplicações, monitoramento e segurança, recorre-se ao outsourcing, que é muito mais barato e especializado.

Por fim, no lugar de se descapitalizar logo na abertura da empresa com a compra de prédios, sem saber quando terá retorno, inclusive, volta-se a modalidades de compartilhamento de espaço, como coworking.

Veja como decidir entre investimentos CAPEX e OPEX

A decisão de utilizar o capital da empresa entre CAPEX e OPEX depende de algumas questões. Não basta simplesmente escolher uma categoria sem antes avaliar a situação atual da companhia e sua realidade operacional.

Tudo parte do princípio de entender que CAPEX e OPEX são ferramentas de controle financeiro que têm a proposta de otimizar a gestão do capital. Por conta disso, as empresas devem decidir entre a modalidade que mais favorece. Isso resultará em uma gestão eficaz do capital a longo prazo.

É possível direcionar a decisão desses investimentos em CAPEX e OPEX considerando grandes empresas e pequenas ou médias. Por terem realidades econômicas e limitações distintas, a maneira como utilizam seus recursos financeiros deve ser feita de forma diferente.

A seguir, entenda em quais cenários CAPEX e OPEX se aplicam melhor e entenda o porquê de cada uma dessas decisões.

Empresas pequenas e com poucos recursos

O OPEX é especialmente interessante às pequenas e médias empresas. Elas naturalmente demoram muito para obter o retorno sobre seus investimentos e, além disso, têm imensa dificuldade de obter crédito como pessoa jurídica.

Além dessas questões operacionais e burocráticas, as pequenas empresas também precisam competir com rivais de alta tecnologia para permanecerem de portas abertas. Isso impacta diretamente a necessidade de investir em recursos de ponta, como equipamentos e sistemas de atendimento e gestão.

Hoje em dia, já se vê fintechs liberando empréstimos rapidamente com análise de crédito feita por meio de Big Data e análise preditiva. Essa realidade somente é possível porque essas soluções de TI são contratadas mediante o formato SaaS — Software como Serviço.

Nesses casos, a empresa “aluga” essa tecnologia, na medida estrita de suas necessidades, e por um valor mensal proporcional ao seu uso — com alta escalabilidade.

Se essa mesma fintech tentasse comprar definitivamente esses sistemas, teria que investir pesado em servidores, ativos de rede, softwares de alto desempenho e estrutura física para abrigar todo o maquinário. Ou seja, a utilização desse tipo de ferramenta provavelmente não seria possível se pensássemos apenas em CAPEX.

Empresas grandes

Empresas de grande porte não costumam ter limitações quanto ao seu capital, o que muitas vezes pode ser interessante para o fortalecimento do patrimônio. Além disso, há a conveniência de cuidar de processos interna, ainda que isso signifique reter equipamentos e maquinário internamente.

A perspectiva positiva da decisão por CAPEX é em relação à valorização do patrimônio da empresa de forma geral, o que atrai investidores. Adquirir imóveis, por exemplo, é uma estratégia comum para captar ainda mais recursos financeiros para expandir a atuação e faturar ainda mais.

Entretanto, nem todos os bens devem ser usufruídos por essa modalidade de investimentos. Independentemente de seu porte e saúde financeira, investir em TI via CAPEX, por exemplo, invariavelmente, não é uma boa ideia.

Saiba como calcular a diferença entre CAPEX e OPEX

É muito comum que se busque fazer um cálculo mais rápido e superficial para entender se é melhor escolher CAPEX ou OPEX. Essa análise é feita sempre de forma simples, multiplicando o valor mensal do serviço contratado e comparando esse resultado com o custo total de aquisição.

O custo oculto a longo prazo

No entanto, é preciso reforçar que esse cálculo é superficial, uma vez que comprar um equipamento gera outras despesas que, em um primeiro momento, estão ocultas. Muitas empresas erram na decisão justamente por não fazerem uma análise aprofundada.

Se você quer montar um data center na sua empresa, por exemplo, não basta comprar equipamentos. Há a manutenção, treinamento, contratação de funcionários e muitos outros custos. No geral, essas despesas irão muito além, o que impede que a simples comparação com o preço mensal do serviço seja adequada.

O tempo de retorno financeiro

Todo investimento que exige altos valores também está associado ao tempo. Pode ser perigoso aplicar tanto dinheiro de uma só vez, já que sua empresa vai demorar a começar a ver o retorno desses investimentos. A menos que haja muito capital disponível, esse movimento pode ser um problema.

A depreciação de equipamentos

No setor de TI é sempre importante avaliar a depreciação dos equipamentos. Quando se fala em tecnologia, a atualização é muito rápida, o que pode causar a obsolescência em muitas ferramentas e itens adquiridos por altos valores.

Em média, o período de 3 a 5 anos é o suficiente para que isso aconteça. A partir de então, os equipamentos utilizados podem já não entregar o mesmo resultado. Quando se trata de desempenho a nível profissional, não é possível continuar trabalhando com uma tecnologia já ultrapassada.

Na prática, investir pesado em tecnologia para TI é algo que envolve riscos, uma vez que pouco tempo depois tudo pode estar obsoleto. Isso demandaria novos investimentos — mais custos que poderiam ser simplesmente evitados.

Todo cálculo para observar a diferença entre CAPEX e OPEX deve ser feito de maneira responsável, garantindo que sua empresa vai preservar o capital. Muitas vezes é melhor investir em OPEX, como forma de valorizar o dinheiro.

Entenda o investimento em TI via OPEX

O dilema entre CAPEX e OPEX é mais fácil de resolver se o assunto é tecnologia. Afinal, hoje já há muitas prestadoras de serviço no mercado que são capazes de entregar bons resultados por um custo que vale muito à pena para as empresas.

Já se foi o tempo em que a TI era um mero repositório de informações eletrônicas. Muito mais próxima do centro do negócio, a área tecnológica hoje desempenha papel fundamental no sucesso corporativo.

Em maior ou menor grau, quase todas as empresas são (ou precisam ser) virtualizadas. A era digital já é uma realidade no mundo corporativo e fazer essa transição é quase que algo obrigatório nos dias de hoje. Além disso, o TI é a base da cultura de inovação, algo indispensável para qualquer companhia atualmente.

Esse papel de liderança da TI em direção à inovação e à adaptação constante para um cenário de revolução digital impôs às empresas um intenso investimento em novas ferramentas.

O custo de manter uma empresa atualizada

Em tempos de machine learning, redes neurais, Big Data e Internet das Coisas, o custo de manter sua empresa em linha com as últimas mudanças disruptivas é extremamente elevado.

Tanto investimento poderia até mesmo de colocar em xeque a viabilidade do negócio. Isso, é claro, se pensarmos em trazer para dentro da companhia, de forma definitiva, todos os bens que ela precisa ter. O OPEX é uma alternativa a esse contexto e permite a atualização sem impactos financeiros à empresa.

Conheça as vantagens e desvantagens de CAPEX e OPEX

Não há regra para a decisão entre trabalhar com despesas, custos e investimentos nas categorias CAPEX e OPEX. A questão gira em torno de avaliar o seu negócio e entender quais atendem melhor e garantem uma situação econômica mais vantajosa.

Essa análise deve ser vista especialmente a longo prazo. A aquisição de novos bens precisa ser feita diante da análise sobre a desvalorização e os custos de manutenção futuros, por exemplo. Tudo isso está dentro do pacote de análises que a empresa precisa fazer.

Diante disso, entender como CAPEX e OPEX podem ser uma boa decisão depende também das vantagens e desvantagens que essas duas modalidades apresentam A seguir, veja uma lista resumida de cada uma das duas!

CAPEX: vantagens

  • acúmulo de bens e patrimônio próprio;
  • incremento de seu ativo imobilizado;
  • maior garantia para obter financiamentos;
  • chances de captação de investimentos
  • independência logística.

CAPEX: desvantagens

  • diminuição de seu capital de giro — descapitalização;
  • aumento de juros sobre eventuais financiamentos (desidratação financeira);
  • aumento da necessidade de espaço físico para manter sua estrutura física;
  • necessidade de renovar investimentos a longo prazo;
  • aumento de custos ocultos;
  • possibilidade de obsoletismo ao longo do tempo.

OPEX: desvantagens

  • aumento dos custos mensais.
  • redução das chances de aumentar o patrimônio

OPEX: vantagens

  • ausência de impactos com depreciação;
  • fortalecimento do caixa, não há descapitalização;
  • maior liquidez;
  • maior flexibilidade para atualizar-se (evitando a obsolescência);
  • possibilidade de contar com o que há de melhor no mercado;
  • dispensa de alto investimento inicial;
  • agilidade para desmobilizar.

Veja um exemplo prático de migração de CAPEX para OPEX

CAPEX e OPEX são visões diferentes sobre alocações de recursos, trazendo resultados distintos nas finanças da empresa. Um dos grandes problemas do CAPEX é seu elevado tempo de endividamento empresarial. Você ocupa parcela substancial de seu capital de giro, perde dinheiro por causa do pagamento de juros e ainda enfrenta problemas de depreciação.

No que tange à área de TI, você pode reduzir os custos da área acima de 50% ao investir em locação de infraestrutura de TI, em vez de concentrar esforços na compra e recompra de notebooks, desktop e ativos de rede (até porque estão ocultos nessas aquisições outros ônus marginais, como manutenção, atualizações e suporte).

Você também pode adquirir soluções em Cloud Server para criar um ambiente com autonomia e escalabilidade sob demanda. Com esse tipo de recurso, você deixa de investir em espaço físico para abrigar servidores, dá mais mobilidade à dinâmica de seus negócios e libera seus profissionais de TI para cuidarem do que é mais caro a qualquer empresa: inovação (em vez de suporte e ações operacionais).

Além disso, uma solução flexível em nuvem permite o ajuste da memória e do processamento do seu servidor em tempo real — sempre que precisar —, divide a carga entre os servidores (load balance) para assegurar disponibilidade máxima 24 x 7 x 365 e provê uma série de recursos de ponta em segurança da informação (como firewall gerenciado), features difíceis de serem mantidas em uma TI centralizada. OPEX permite que você tenha acesso à tecnologia de ponta, por custo muito menor.

CAPEX e OPEX são duas escolhas distintas, mas que devem ser sempre analisadas diante da realidade da sua empresa. A escolha só deve ser feita diante de uma boa avaliação. Considere todos os fatores que você viu neste conteúdo.

Se a sua escolha for por OPEX, buscar um bom prestador de serviços é fundamental. Entre em contato com a Locaweb e saiba como podemos ajudar a sua empresa.