Detecção de ameaças em TI: quais são as principais ferramentas?

em Soluções.

Os ataques cibernéticos crescentes no ambiente corporativo exigem ferramentas eficientes de detecção de ameaças em TI. Somente no primeiro semestre de 2018 foram identificados 120,7 milhões de links maliciosos no Brasil — um aumento de 95,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Os dados foram compilados no 4º Relatório de Segurança Digital no Brasil, divulgado pelo Canal Tech, e incluem ameaças ao ambiente corporativo e residencial. Apesar do cenário, um estudo realizado pela consultoria Ernst & Young, publicado no site Convergência Digital, indica que o Brasil gasta menos que a média mundial com cibersegurança.

Apenas 52% das empresas brasileiras aumentaram o orçamento para essa finalidade de 2016 para 2017, e 40% das companhias criaram centros de operação e segurança. Diante desse contexto, fica evidente que é preciso trabalhar para evitar danos à rede corporativa. Por isso, neste artigo apresentaremos as principais ferramentas de segurança no ambiente virtual. Acompanhe!

A importância da segurança no ambiente virtual

Qualquer organização pode apresentar vulnerabilidades de diferentes níveis críticos em sua rede, softwares e hardwares. Os problemas são ainda mais visíveis em pequenos e médios negócios, que nem sempre contam com um especialista em TI para cuidar das questões relacionadas à cibersegurança.

Ações simples, como enviar ou abrir um e-mail, podem desencadear um problema maior, como uma infecção na rede, que tem o potencial de expor os dados sensíveis armazenados nos servidores e computadores da empresa. Entre as informações divulgadas que podem trazer prejuízos significativos estão:

  • listas de clientes e fornecedores;
  • dados de contato de consumidores;
  • senhas de colaboradores e parceiros;
  • contratos assinados;
  • editais de licitação e mais.

Para evitar a exposição de dados, usar apenas um antivírus é insuficiente. É necessário contar com proteções extras, já que o ambiente corporativo é bem diferente do residencial e conta com arquivos e dados mais importantes.

As medidas necessárias para a segurança da empresa

O primeiro passo para começar a cuidar da segurança da empresa é adotar medidas de detecção de ameaças. As ferramentas que contribuem para essa identificação são variadas, mas devem ser complementadas com outras atitudes, como as que listamos a seguir.

Faça o inventário dos ativos de TI

A listagem de todos os ativos utilizados na infraestrutura organizacional é a chave para detectar aqueles que precisam ser revistos ou atualizados. Portanto, relacione todos, inclusive:

  • sistemas de armazenamento de dados, para saber quais ativos críticos requerem proteção extra;
  • sistemas de segurança, com o objetivo de saber quais são úteis para a detecção de ameaças;
  • permissões efetivas, a fim de identificar os acessos, bem como se estes estão alinhados às responsabilidades do cargo do colaborador;
  • usuários (contratantes, parceiros e fornecedores), com o intuito de saber quais são as falhas e as vulnerabilidades potenciais;
  • sistemas de controle de acesso, por exemplo, switches, roteadores e VPN.

Detecte as ameaças internas e priorize-as

O ideal é ter uma lista completa, que contemple abusos de privilégios, roubo de dados e erros. Faça isso aos poucos, já que é impossível identificá-los de uma vez. O objetivo é analisar os casos e priorizá-los a partir de probabilidade e impacto. Assim, foque nos mais relevantes.

Colete os logs das fontes de dados

Os registros de File Servers, Office 365, SharePoints, Exchange, bases de dados etc. devem ser capturados. Se já tiver alguma solução, verifique se é possível emitir alertas para a geração de potenciais falhas.

Use uma abordagem simples

Uma empresa pode adotar regras complexas para tentar ser mais eficiente. No entanto, nem sempre isso acontece, sobretudo se a preocupação com a segurança da informação era inexistente. Muitas vezes, criar princípios simples causa muito efeito. Por exemplo: investigar se um usuário abriu 12 arquivos em 30 segundos. Isso pode indicar uma anomalia a ser detectada.

6 ferramentas para detecção de ameaças em TI

Cuidar da cibersegurança da sua empresa depende das ações já listadas e de ferramentas que ajudam a detectar ameaças. Várias são as possibilidades, e elas podem ser terceirizadas para uma empresa especializada.

A seguir, entenda como as diferentes opções funcionam e veja qual delas se ajusta melhor ao seu negócio.

1. Firewall

Objetiva impedir o tráfego de dados indesejados a partir do monitoramento constante da rede. Qualquer identificação insegura ou passível de ameaça é interrompida para evitar acessos maliciosos e não autorizados. Isso ocorre por meio da aplicação de regras de segurança, que permitem ao firewall aprovar ou desaprovar pacotes de dados.

As normas preestabelecidas influenciam na aprovação ou recusa. O firewall pode estar no software ou no hardware. Muitas soluções oferecem essa opção por padrão, mas existem outras alternativas no mercado que trazem ainda mais segurança. Também é importante citar que a eficiência desse recurso depende de sua configuração.

2. VPN

Configura uma rede virtual privada que oferece uma conexão criptografada e protegida para fazer um compartilhamento de dados seguro. Com isso, programas maliciosos e tentativas de roubo de informações são impedidas.

VPN é como uma ligação entre vários dispositivos da internet. Os dados de comunicação são seguros e codificados. Por isso, essa solução é bastante utilizada por empresas que contam com mais de uma unidade ou colaboradores na modalidade home office.

Além disso, a VPN funciona no modelo client-to-site ou site-to-site. O primeiro prevê que estações remotas acessam a rede empresarial com segurança. O segundo consiste na conexão de matriz e filiais à nuvem para oferecer mais estabilidade e eficiência.

3. Big Data

Facilita o processamento e a análise de um grande volume de dados. O ideal é que a plataforma seja flexível, integrada e de alta performance, a fim de gerar dados e insights relevantes, que levarão a uma tomada de decisão acertada.

Geralmente, o Big Data não é atrelado à segurança da informação, mas essa ferramenta contribui com uma proteção extra aos dados críticos. A análise de dados auxilia na detecção de fraudes e roubo de informações. Além disso, é possível acessar e correlacionar as informações rapidamente para identificar ameaças e crimes cibernéticos.

Da mesma forma, a definição de padrões de normalidade e de informações de ameaças externas deixarão o processo de detecção mais eficiente no que se refere a anomalias relacionadas à cibersegurança.

4. Load Balance

Propõe a distribuição de carga na arquitetura da rede para permitir que mais usuários possam acessar as aplicações de forma simultânea. Assim, é possível entregar um conteúdo com melhor desempenho, eficiência operacional e segurança.

Na prática, o Load Balance distribui a carga entre dois ou mais discos rígidos, enlaces de redes, computadores e outros recursos. O objetivo é maximizar a performance, evitar a sobrecarga e reduzir o tempo de resposta. No que se refere à segurança, o uso do Load Balance traz uma contribuição significativa devido à redundância, que assegura a confiabilidade dos sistemas.

5. WAF

É o Web Application Firewall que protege o servidor de aplicação web, por exemplo, o e-commerce da empresa. Todo comportamento malicioso dos usuários é detectado pelo WAF, que evita ataques e o acesso não autorizado às informações sigilosas.

Basicamente, o WAF trabalha como uma barreira que protege e bloqueia o servidor. A preservação se refere a um aplicativo ou a um conjunto específico, em que são implementadas regras para evitar invasões maliciosas. Entre as funcionalidades estão: blacklists, controle de banda e impedimentos de ataques DoS (Denial of Service, ou negação de serviço).

6. SSL

É um certificado que garante aos usuários uma navegação segura. Para isso, o Secure Sockets Layer utiliza criptografia de duas chaves — uma pública e outra privada — para os dados. Sua representação é um cadeado que aparece no navegador ao lado da URL.

SSL também verifica a autenticação do site e melhora sua reputação, já que preserva os dados dos clientes. De quebra, o algoritmo do Google entende que ele é seguro e, assim, ganha relevância.

Todas essas alternativas são fundamentais para fazer a detecção de ameaças em TI. No entanto, é preciso que você adote as ações e as ferramentas indicadas para ter eficiência no processo. Para isso, vale a pena buscar uma empresa especializada e que forneça os recursos necessários, além de suporte 24 horas.

Agora que você já sabe por onde começar, que tal assinar a nossa newsletter? Assim, os melhores conteúdos do blog serão encaminhados diretamente para o seu e-mail!