Cloud Computing: pública, privada ou híbrida

em Soluções.

Quando discutimos a armazenagem na nuvem, estamos falando de um movimento que ganhou força por volta dos anos 2010 em todo o mundo e que democratizou a tecnologia no meio corporativo. Trata-se de um dos serviços abarcados no amplo conceito de Cloud Computing (computação em nuvem), cada vez mais visto como sinônimo de computação de um modo geral.

Para se ter uma ideia da importância desse conceito, de acordo com a consultoria IDC, mesmo com a crise econômica que assola a maioria dos países da América Latina, devemos finalizar 2016 com um grande avanço em tecnologia digital. A chamada Era da Transformação Digital, que cresce no continente, tem como carro-chefe as ferramentas e serviços baseados em cloud computing.

Até o final deste ano, os investimentos em ferramentas e serviços de nuvem deverão crescer 40%, chegando a US$ 3,6 bilhões na região — sendo que o Brasil detém 45% do mercado. Os especialistas da IDC afirmam que o conceito foi disseminado de modo mais amplo e profundo neste ano.

Esse movimento se deve ao fato de as empresas terem entendido o poder do cloud computing para impulsionar seus negócios. A mobilidade trazida pelas soluções em nuvem — assim como a facilidade de gerenciamento da infraestrutura de TI, a redução de custos, a escalabilidade e outras vantagens — está no topo das vantagens dessa transformação.

Atualmente, empresas de todos os portes e em todos os segmentos do mercado podem competir de igual para igual simplesmente porque conseguem adquirir e desenvolver ferramentas tecnológicas baseadas na nuvem. O cloud computing é, portanto, um excelente agente diminuidor de custos e potencializador de resultados, por fornecer recursos de uma forma mais simplificada e rápida.

Explicaremos tudo isso com mais detalhes ao longo deste post. Você entenderá aqui o conceito de cloud computing e verá quais são os benefícios mais significativos que ele oferece para as empresas. Você também conseguirá, ao final da leitura, diferenciar os três principais tipos de nuvem que existem no mercado.

A ideia aqui é mostrar que o cloud computing é bem mais do que “armazenagem na nuvem” e te ajudar a refletir sobre como esse conceito pode beneficiar o seu negócio. Confira!

Entendendo o Cloud Computing: o que é e para que serve

Numa tradução livre, cloud computing é “computação em nuvem” — ou “computação na nuvem”. O glossário de TI do Gartner — a mais importante empresa de pesquisa em TI do mundo — define cloud computing como “um estilo de computação no qual capacidades habilitadas por TI escaláveis e flexíveis são entregues como um serviço usando tecnologias de internet”.

Em termos gerais, esse conceito representa a ideia de utilizar a infraestrutura de tecnologia da informação (TI) como serviço. Ou seja, a empresa deixa de investir numa infra própria e passa a “alugar” um espaço num centro de dados (data center) de um provedor (fornecedor de serviços de nuvem, empresa especializada), onde ficam armazenados e onde são processados os dados de sistemas, aplicativos, bancos de dados, etc.

Tecnicamente falando, a “nuvem” é um conjunto de diferentes tipos de hardwares e softwares que funcionam juntos para proporcionar, na internet, serviços da computação para o usuário final.

Logo, também podemos definir o cloud computing como sendo o uso de hardwares e softwares para oferecer um serviço por meio de uma rede. Assim, os usuários podem acessar arquivos e aplicações de uso a partir de qualquer dispositivo (PC, tablet, smartphone, etc.) que esteja conectado à web.

As três principais categorias de serviços do cloud computing: IaaS, PaaS e SaaS

A maioria dos serviços de cloud computing se divide em três grandes categorias. São elas: infraestrutura como serviço (Infrastructure as a Service — IaaS), plataforma como serviço (Platform as a Service — PaaS) e software como serviço (Software as a Service — SaaS).

É a combinação dessas três categorias que garante uma gama crescente de serviços prestados pelos provedores de cloud. Veja com mais detalhes o que é cada uma delas:

Infraestrutura como Serviço (IaaS)

É a categoria mais básica de serviços de cloud computing. Nesse modelo, uma empresa pode alugar a infraestrutura de servidores e máquinas virtuais, armazenamento, redes e sistemas operacionais a partir de um provedor de nuvem. Ela só paga pelo que utilizar, numa forma de pagamento chamada de “pay-as-you-go”.

Em outras palavras, em vez de investir em hardwares e softwares internamente, tudo é entregue pelo provedor de forma virtualizada. E é o provedor quem se preocupa com a manutenção da infraestrutura, sua disponibilidade e segurança.

Plataforma como Serviço (PaaS)

O conceito de PaaS refere-se a serviços de nuvem que fornecem um ambiente sob demanda para desenvolver, testar, entregar e gerenciar aplicativos de software.

É um serviço projetado para que os desenvolvedores criem rapidamente aplicativos móveis e soluções web sem se preocupar com a criação ou gestão da infra subjacente de servidores, armazenamento, rede e bancos de dados necessários para o desenvolvimento.

Software como Serviço (SaaS)

Já o SaaS é um método de entrega de aplicações de software por meio da internet, sob demanda e, normalmente, em forma de assinatura. No modelo SaaS, o provedor de nuvem hospeda e gerencia o aplicativo de software e a infra subjacente.

É dele também a preocupação de lidar com qualquer tipo de manutenção — como atualizações de software e patches de segurança. Os usuários se conectam à aplicação por meio da internet, geralmente com um navegador da web em seu PC, tablet ou smartphone.

Conhecendo os benefícios do Cloud Computing para o seu negócio

Agora que já entendemos o que é cloud computing e como são classificados os serviços que giram em torno desse conceito, vamos refletir sobre os principais benefícios que uma empresa pode obter ao adotá-lo!

Cloud computing reduz custos de infraestrutura de TI

O benefício mais palpável do cloud computing para as empresas é o corte de gastos com a tecnologia da informação. Em vez de se preocupar com a aquisição de softwares e hardwares para montar uma infra interna, basta fazer um bom acordo de prestação de serviço com um provedor de nuvem e obter os recursos de forma virtualizada.

Além disso, grande parte das responsabilidades e preocupações com a infra de TI são transferidas para o provedor. É dele o trabalho de manter a infra em pleno funcionamento e sempre disponível.

É o provedor que se preocupa com a manutenção dos equipamentos, com a segurança dos dados em seus data centers e também com manter uma equipe qualificada tecnicamente. E isso tudo se reflete em economia de dinheiro.

Já que o fornecimento dos recursos de infraestrutura se dá de forma virtualizada e a empresa só paga pelo que utilizar, fica muito mais fácil prever e controlar os gastos em curto, médio e longo prazo.

Cloud computing oferece escalabilidade tecnológica

Outro aspecto importante trazido pelo cloud computing para as empresas é a escalabilidade tecnológica. Ou seja, incrementar a infraestrutura conforme as demandas operacionais aumentam é muito mais fácil quando os recursos são utilizados de forma virtualizada.

Em vez de programar longos períodos de implementação para obter updates em sistemas, abrir mais espaço de armazenamento ou dar acesso a mais usuários, basta solicitar isso ao provedor de cloud. As atualizações são feitas de forma rápida, sem necessidade de parar as operações e, muitas vezes, sem que os usuários percebam, o que agiliza muito o processo e também evita adicionar mais custos à estratégia de TI.

Cloud computing dá mobilidade ao negócio

O cloud computing também libertou as empresas e seus colaboradores dos limites das quatro paredes dos escritórios. Em vez de precisar ir até a empresa para operar um sistema de gestão empresarial, por exemplo, quando se trabalha com armazenagem na nuvem é possível fazer isso em qualquer lugar e por meio de qualquer dispositivo que esteja conectado à web.

Em outras palavras, as pessoas devidamente autorizadas a operar os sistemas podem trabalhar onde quer que elas estejam. Isso traz às empresas mais flexibilidade em suas escalas de trabalho, mais colaboratividade (diferentes equipes podem trabalhar em um único ambiente remotamente), entre outros benefícios que a mobilidade tecnológica pode oferecer.

Da mesma forma, com o cloud computing, as empresas podem oferecer aplicativos a seus clientes e parceiros de negócio, dar acessos a plataformas de interação e mais uma infinidade de possibilidades em campos como marketing, vendas, logística, etc.

Cloud computing eleva a segurança da informação

Também no que se refere à segurança da informação, o cloud computing é uma vantagem significativa para as empresas. Como os provedores de serviços de cloud trabalham com práticas testadas e aprovadas mundialmente, além de estar sempre atualizados em matéria de ferramentas, os dados corporativos na nuvem tendem a ficar mais seguros do que na infra interna.

Por meio de um serviço de backup online (cloud backup), por exemplo, é possível garantir que os dados e arquivos empresariais estarão sempre a salvo. Com a armazenagem na nuvem, é possível tornar as informações do negócio sempre disponíveis.

Outro aspecto importante é a segurança física. Ao manter toda a infra internamente, a empresa pode estar vulnerável a acidentes como incêndios ou enchentes e isso pode comprometer seriamente os dados do negócio.

Já quando se trabalha com armazenagem na nuvem, essa vulnerabilidade é quase nula, pois bons provedores possuem planos de contingência e mantêm seus centros de dados em diversos locais seguros.

Cloud computing dá mais eficiência ao negócio como um todo

Ao explorar serviços de cloud computing, as empresas conseguem melhorar de forma significativa a utilização da tecnologia. Assim, com custos controlados e com mais rapidez, integrar processos, elas implementam e desenvolvem ferramentas para apoiar suas operações.

Elas também conseguem trabalhar melhor a estruturação e a análise de dados, uma vez que a armazenagem na nuvem permite a utilização de soluções robustas como Business Intelligence, CRM e outras ferramentas de Big Data.

Como sabemos, as empresas mais bem-sucedidas hoje são as que conseguem encontrar padrões de comportamentos, explorar melhor a experiência do cliente e outros aspectos relacionados à análise de dados.

Cloud computing libera a TI para uma atuação mais estratégica

Por fim, o cloud computing também oferece à equipe de TI a possibilidade de gastar menos tempo se preocupando com aspectos técnicos da operação. Como a manutenção dos recursos fica por conta do provedor, os profissionais de TI podem se ocupar de trabalhos mais estratégicos — como mineração e análise de dados, criação de soluções inovadoras para apoiar o desenvolvimento do negócio, entre outros.

Com serviços de cloud computing, a TI deixa de ser meramente uma equipe de apoio e passa a ter uma atuação mais analítica e consultiva, focando na estratégia e não na rotina operacional.

Os diferentes tipos de Cloud: qual deles é mais aderente para o seu negócio

Depois de saber quais são os benefícios do cloud computing para sua empresa, geralmente o questionamento seguinte diz respeito ao tipo de nuvem a ser adotado. Para sanar essa dúvida, nada melhor do que entender em detalhes quais são as diferenças entre eles.

Existem três tipos de nuvem: as públicas, as privadas e as híbridas. Veja uma explicação e reflita sobre qual deles melhor se encaixa às necessidades da sua empresa:

Public Cloud (nuvem pública)

O modelo mais reconhecível de cloud é o public cloud (nuvem pública). Esse é um modelo de nuvem no qual os serviços são fornecidos em um ambiente virtualizado — construído utilizando recursos físicos agrupados e compartilhados — e acessível por meio de uma rede pública, geralmente a internet.

Nesse modelo, o provedor usa a internet para tornar os recursos disponíveis para seus diversos clientes — cada qual com seus níveis de acesso bem definidos. Ele é o tipo de nuvem mais barato, pois os custos de hardware, aplicativos e largura de banda são cobertos pelo provedor. A empresa paga somente pelo que usar (pay-per-use), conforme a capacidade usada.

Uma nuvem pública é indicada para empresas que querem ganhar poder tecnológico sem precisar fazer grandes investimentos em TI. Ela também é útil para empresas que têm pressa para utilizar recursos virtualizados, pois trata-se de uma nuvem que já está pronta — basta apenas firmar um contrato com o provedor para começar a usufruir dos serviços.

Principais benefícios do public cloud:

  • Escalabilidade ilimitada;
  • Disponibilidade;
  • Recursos sob demanda;
  • Custos controláveis e menores do que a infra interna (ou o modelo privado);
  • Confiabilidade devido à quantidade de servidores disponíveis.

Private Cloud (nuvem privada)

A private cloud (nuvem privada) é uma arquitetura de data center de propriedade única e exclusiva de uma empresa. Ela oferece todos os benefícios que a nuvem pública também fornece (flexibilidade, escalabilidade, provisionamento, automação, monitoramento, etc.), mas não é dividida com outras empresas.

Nesse modelo, os recursos “as-a-service” não são vendidos a diferentes clientes pelo provedor, mas ofertados a uma única empresa, podendo servir, por exemplo, diferentes filiais e parceiros de negócios.

Os mecanismos técnicos usados ​​para fornecer os diferentes serviços de nuvem privada podem variar consideravelmente e, por isso, é difícil definir o que constitui uma nuvem privada a partir de um aspecto técnico. Em vez disso, esses serviços são geralmente classificados pelos recursos que eles oferecem aos seus clientes.

Traços que caracterizam nuvens privadas incluem a delimitação de uma nuvem para uso exclusivo de uma organização e níveis mais elevados de segurança de rede. Eles podem ser definidos em contraste com uma nuvem pública, que tem vários clientes que acessam serviços virtualizados — nesse modelo todos tiram o seu recurso a partir do mesmo conjunto de servidores por meio de redes públicas.

Uma nuvem pública é indicada para empresas que gerenciam dados muito sensíveis, como transações financeiras, por exemplo. Ela também serve muito bem a negócios nos quais a cultura de controle interno é bem arraigada.

Geralmente, empresas que já fizeram investimentos grandes em infra de TI podem aproveitar os hardwares e softwares legados para montar sua nuvem privada. Com isso, fornecem recursos tecnológicos para todos os usuários em diferentes filiais, unidades de negócio, etc.

Principais benefícios do private cloud:

  • Maior nível de confiabilidade;
  • Controle totalmente interno dos servidores e outros recursos;
  • Possibilidade de utilizar os recursos legados para manter a própria nuvem;
  • Atendimento à cultura de controle interno.

Hybrid Cloud (nuvem híbrida)

Por fim, temos a hybrid cloud, ou nuvem híbrida, que nada mais é do que um serviço integrado de nuvem que mescla os dois modelos anteriores: privado e público. Ela serve para desempenhar funções distintas dentro de uma mesma organização e é um modelo adotado para extrair o melhor da nuvem pública e o melhor da nuvem privada.

Se por um lado as nuvens públicas oferecem mais escalabilidade do que as privadas, estas últimas são mais recomendadas para armazenagem de dados críticos. Logo, é possível maximizar as eficiências por meio da mescla dos modelos, conforme as necessidades da empresa.

Modelos de hybrid cloud podem ser implementados de diferentes, sendo as mais comuns:

  • Separação de provedores de nuvem para fornecer tanto serviços privados quanto públicos de forma integrada;
  • Provedores individuais de serviços de nuvem fornecendo um pacote híbrido completo;
  • Organizações que gerenciam suas próprias nuvens contratando um serviço de cloud pública (que integram em sua infra).

A nuvem híbrida é geralmente a escolha das empresas que já possuem uma boa infraestrutura interna e também querem aproveitar os benefícios do modelo público, especialmente no que diz respeito a softwares como serviço (SaaS).

Principais benefícios do hybrid cloud:

  • Flexibilidade e escalabilidade;
  • Controle de custos;
  • Controles técnicos (especialmente do modelo privado);
  • Possibilidade de alternar entre o modelo público e o privado conforme a necessidade do negócio.

Conclusão

Um estudo da Cisco publicado recentemente mostra que 69% das empresas em todo o mundo, apesar de conhecerem os benefícios e já adotarem algum serviço, ainda não têm estratégias maduras para o cloud computing. Isso significa que uma boa parte das organizações ainda não está utilizando os recursos da computação em nuvem de uma forma otimizada.

Os serviços mais populares são a utilização de softwares como serviços (modelo SaaS) e o armazenamento de dados (cloud storage). Mas ainda falta estruturar estratégias que façam com que o cloud computing se torne de fato um diferencial competitivo nos negócios, indo além da utilização desses recursos.

Uma coisa, no entanto, é certa: o cloud computing, assim como qualquer outro conceito tecnológico, precisa ser alinhado com a estratégia de negócios da empresa para que surta efeitos. Só assim os recursos e benefícios que listamos aqui podem ser percebidos, uma vez que a tecnologia é sempre um meio de avançar — os benefícios dela podem ser utilizados para melhorar as operações, trazer mais inteligência competitiva, etc. — e nunca o fim.

Portanto, além de conhecer os benefícios e saber como cada serviço baseado em cloud computing pode melhorar os mais variados aspectos do negócio, é preciso estruturar uma estratégia que contemple tanto os fatores técnicos quanto os requisitos de negócios.

É aí que entra em campo a busca por parcerias com provedores qualificados, que tenham boas práticas e garantam os melhores serviços de cloud. Também não se pode negligenciar os aspectos culturais da empresa, já que, ao adotar o cloud computing, você rompe com o modelo tradicional de computação.

Tanto a equipe de TI como os usuários finais precisam entender o que muda quando a empresa passa a explorar o cloud computing. Dessa forma, além de diminuir as resistências naturais às mudanças, também é possível potencializar os resultados por meio da exploração consciente e estratégica dos recursos.

Ter uma estratégia de cloud computing na empresa, atualmente, significa estar preparado para explorar o melhor da tecnologia e fazer dela um importante agente de competitividade. Mais do que perceber vantagens em curto e médio prazo, a empresa passa a vislumbrar novas possibilidades de inovar, ganhar mercado e impulsionar resultados — com o amparo tecnológico sob medida.

As empresas que estão usando de uma forma estratégica o cloud computing são aquelas que conseguirão se beneficiar da transformação digital pela qual o mundo está passando. E a sua empresa? Ela já está explorando as vantagens do cloud computing?

Quer saber mais sobre as soluções da Locaweb Corp? Acesse nosso site!